Recicla

À descoberta da natureza do Algarvensis

Se vai passar uns dias à região algarvia aproveite para ficar em contacto com a natureza e explore o Algarvensis, aspirante a geoparque mundial da UNESCO. Ocupando um terço desta zona do País, o parque tem muito para lhe mostrar a nível geológico e no que toca à biodiversidade.

Através de pequenos passeios ou de caminhadas pelos percursos assinalados parta à descoberta do património natural e cultural que o Algarvensis abrange. Se estiver atento, poderá encontrar borboletas e morcegos.

Percursos
Agora que o tempo frio se faz sentir, porque não uma caminhada para aquecer? Há nove percursos circulares com distâncias que variam entre os 4 e os 12km e que o vão conduzir pelas diferentes paisagens do parque. A Rota da Água, o trilho pela Paisagem Protegida da Rocha da Pena, ou mesmo o percurso do Cerco Grande são algumas das opções que levam a conhecer a Fonte Benémola, entre Tôr e Querença, a Rocha da Pena, em Loulé, ou a povoação de Paderne, em Albufeira.

Espécies autóctones
Quer seja pelos trilhos delineados, quer seja em percursos mais curtos, neste espaço protegido pode encontrar espécies autóctones, isto é, locais, como as cabras algarvias, que se distinguem das demais por apresentarem malhas brancas e pretas, e os cães do Barrocal.

Outras espécies
Outra espécie que lhe poderá saltar, neste caso, voar à vista, são as borboletas. É verdade, apesar de no inverno ser pouco comum a sua presença, esta região concentra algumas espécies que podem ser avistadas mesmo em dezembro e janeiro. Mas, há mais animais a viver nesta área protegida: é o caso da raposa e do porco-espinho, que são os mamíferos mais comummente avistados. Relativamente às aves, a coruja Bufo real, a maior da sua espécie, também pode ser vista aqui, assim como o guarda-rios, o papa-figos e o peneireiro-cinzento.

Vegetação
Outro espaço interessante a conhecer é a Ribeira de Quarteira. Aqui existem cerca de 300 espécies vegetais, algumas delas ameaçadas ou vulneráveis. Este sítio possui ainda um troço ao longo da ribeira, que permite passear e apreciar as diferentes espécies de árvores que se constituem como habitat das diversas espécies de aves e até de morcegos.

Aproveite, pois, o sol de inverno para perceber o que leva este reduto da natureza a ambicionar ser geoparque natural. Pelo caminho, respeite as normas estipuladas e não deixe marcas da sua passagem.