Recicla

A Marita Moreno é slow-fashion e adepta dos 4 R

A marca portuguesa de acessórios e calçado Marita Moreno caracteriza-se por ser slow-fashion e por incentivar ao consumo cuidado, procurando corresponder ao conceito dos 4 R – reduzir, reutilizar, recuperar e reciclar.

Recorrendo a materiais mais ecológicos, vegan, a formas de trabalho mais éticas e transparentes, Marita Moreno assume-se como uma marca amiga do planeta e a sua fundadora, a designer Marita Setas Ferro, explica porquê: “A moda sustentável é muito mais do que a utilização de materiais ecológicos. É um conjunto de fatores que, conjugados, nos permitem afirmá-lo”.

Assim, promove a valorização do artesanato, dos materiais e da produção nacionais, preocupa-se com o respeito pelas leis e condições do trabalho e com os salários justos e legais, pois, segundo Marita Setas Ferro, estes “são fatores fundamentais para a construção da sustentabilidade como fator transversal na sociedade e, no caso da marca, em produtos de moda”.

Foi a pensar tanto nas pessoas como no planeta que surgiu a nova coleção Stardust and Sea, inspirada na essência do ser humano, que é maioritariamente constituído por água, e na necessidade de apelar “à não poluição do mar”. “É um apelo a voltarmos ao que é essencial, a não desperdiçar, a reciclar, a refazer, a repensar”, refere a designer.

A marca trabalha com 15 produtos sustentáveis para o fabrico dos seus acessórios, como é o caso do biocouro e da cortiça nacionais. As solas dos sapatos são produzidas com borracha termoplástica ou através de um processo ecológico de onde esta é obtida pela solidificação do látex da árvore.

O upcycling é outra das características da Marita Moreno: é que a marca reutiliza e transforma materiais estragados e sobras de produção ou de stocks para criar linhas limitadas ou pequenos acessórios. “Quando temos poucas quantidades, fazemos peças pequenas, como colares e alfinetes; quando sobram pedaços maiores, misturamos vários materiais em linhas de sapatos ou bolsas”, afirma a designer.

Também as embalagens são feitas a pensar no ambiente, à base de matérias-primas como o milho, e com a vantagem de, depois de servirem para transportar as compras, poderem ser compostadas em casa.