Recicla

E dos oceanos se fazem produtos de arrumação e limpeza de casa

Se acredita que já adotou todas as medidas para uma vida mais sustentável, trazemos-lhe um pormenor em que talvez ainda não tenha pensado. Os acessórios de limpeza, que utiliza em casa, são sustentáveis?

É que podem ser. A Fapil é uma empresa portuguesa que comercializa este tipo de produtos há já 45 anos. Recentemente, lançou a gama Ocean, que tem na sua constituição 20% de plástico recolhido nos oceanos, assim como outros plásticos reciclados.

Nasceu pela mão de Joaquim e Conceição Teixeira e inicialmente produzia vassouras e pincéis. O nome é a junção das primeiras letras de Fábrica de Pinceis, a que acrescentaram a denominação Limitada, dando, assim, origem a Fapil. No início do novo milénio, a fábrica aumentou a sua capacidade de produção e adquiriu máquinas de injeção de plásticos, podendo, a partir de então, começar a reutilizá-lo para o fabrico de caixas de arrumação. 

A gama que chegou há poucos meses ao mercado inclui escovas, vassouras, baldes, caixas de arrumação e até estendais, todos eles produzidos com plásticos reaproveitados. O CEO e filho do fundador, Fernando Teixeira, afirma que a empresa está “a trabalhar diariamente para que os produtos Ocean tenham a máxima percentagem” deste material reciclado, pois até ao momento ainda não o são por completo. Ainda assim, o objetivo é “chegar a um ponto em que todos os produtos Fapil sejam feitos, na sua totalidade, com plástico reciclado”.

Inspirado pelo pai, já preocupado com estas matérias, Fernando Teixeira quer travar o cenário do plástico nos oceanos: “Na Fapil estamos fundamentalmente interessados em ‘fechar a torneira’, ou seja, impedir que mais plástico vá parar aos oceanos. Se lhe dermos um destino e utilidade, se as entidades colaborarem para agilizar processos e informar quem trabalha nas atividades de pesca, motivando-os, certamente que conseguiremos travar uma parte do problema. Estamos, cada um, a fazer algo para que, gota a gota, se resolva este desafio”, conclui.

Além de procurar diminuir a quantidade de resíduos plásticos nos oceanos, ao reaproveitá-los, esta empresa reduz também em 80% as suas emissões de CO2.