Recicla

Pelas Aldeias de Xisto

A melhor maneira de começar o ano é a planear a próxima viagem a um dos recantos do país. Por isso, a nossa sugestão é de que rume até ao centro para explorar as Aldeias de Xisto.

Numa área que se estende do litoral ao interior, entre a Serra da Lousã, do Açor, da zona junto ao rio Zêzere e onde o Tejo e o Ocreza se cruzam, há muito para descobrir e apreciar, entre paisagens rurais, verdejantes e fluviais.

Há 27 aldeias de xisto para conhecer e para o ajudar deixamos-lhe alguns pontos que não vai querer perder:

Na Serra da Lousã
A aldeia mais conhecida, maior e talvez mais bem preservada desta zona, é a de Talasnal. Por aqui, há antigos lagares de azeite para visitar e doces tradicionais para provar. Já a aldeia do Chiqueiro conta apenas com dois habitantes. Vale apena conhecê-la pela vista e quietude que se experimenta. Outro ponto de interesse é o complexo da Nossa Senhora da Piedade. Aqui, entre a imensa vegetação e quedas de água, encontra-se a ermida com o mesmo nome do complexo, a praia fluvial e o Castelo da Lousã.

Casal de São Simão

Na Serra do Açor
Além de Piódão, a aldeia histórica de Portugal, há muito mais para conhecer. Por exemplo, Vila Cova de Alva é a que possuí o maior conjunto de monumentos, por causa da ordem religiosa que ali se estabeleceu. Na aldeia das Dez, há bolos tradicionais, compotas e licores com frutos da região e ainda uma ampla vista sobre as serras. Perto de Benfeita encontra-se também a queda de água Fraga da Pena e a Mata da Margaraça, uma das mais importantes florestas caducifólias do país.

Junto ao rio Zêzere
Barroca, Janeiro de Baixo e Janeiro de Cima são as três aldeias que, nesta região, além de xisto, utilizaram pedras oriundas do rio Zêzere para a construção dos muros e das fachadas. Já a aldeia de Álvaro é rica em património religioso. Foi uma importante povoação para as ordens religiosas, sobretudo a Ordem de Malta, que deixou inúmeros testemunhos da sua presença. A aldeia do Mosteiro, localizada no fundo de um vale, oferece moinhos, levadas, lagares e regadios para visitar.

Aldeia de Fajão

Junto aos rios Tejo e Ocreza
Nesta zona vai encontrar a aldeia mais central do país, Água Formosa, cujo nome vem de uma fonte de águas límpidas. Figueira é conhecida pelo seu forno comunitário e pelo seu característico cheiro a pão, horta e feno. Em Martim Branco, o pão também tem lugar de destaque e o xisto convive com o granito para manter a qualidade das casas. Não deixe ainda de conhecer Sarzedas, a única distinguida com título nobiliárquico.

Vá de aldeia em aldeia, mas não se esqueça de o fazer da maneira mais ecológica possível, sem deixar marcas, contribuindo para o bom funcionamento das comunidades e preservando a biodiversidade.