Recicla

Saiba como organizar um Halloween sustentável em 5 passos

Saiba como organizar um Halloween sustentável em 5 passos

O Halloween já está implementado na cultura portuguesa e, por isso, o que não faltam são festas temáticas ou, simplesmente, crianças a pedir doces na vizinhança.
Seja qual for a sua forma de festejar, saiba que há sempre maneira de o fazer de uma forma mais sustentável. Nós damos uma ajuda.

  1. Faça a sua fantasia em casa. É certo que não deve ter no armário roupa de bruxa ou de morto-vivo pronta a ser usada, mas não será difícil chegar a uma fantasia apenas com o que tem em casa. Para a de bruxa, por exemplo, opte por conjugar roupa preta e alguma maquilhagem. Já para se vestir de morto-vivo, vá buscar aquela roupa que já estava posta de lado por estar já inutilizável, corte-a, pinte-a e está pronto a sair à rua.
  2. Aposte na troca de fantasias. Um ano veste-se de lobisomem e não quer repetir o fato no ano seguinte? Troque-o com alguém que se quer estrear vestido de lobisomem e, com sorte, essa pessoa terá algo que lhe serve e que pode ser a sua fantasia deste ano.
  3. Ofereça doces caseiros. Não há volta a dar: as crianças procuram doces nessa noite e é doces que elas vão ter. Mas opte por fazer em casa, cortando no açucar e nas despesas. Gomas, bolachas, fatias de bolo… vale tudo.
  4. Decoração sustentável. Apanhe as folhas das árvores caídas do chão e com um furador, transforme-as em confetis. Se quiser espalhar umas velas pela casa, saiba que é possível fazê-las com óleos alimentares ou cera de soja ecológica. E a abóbora, tão típica de Halloween? Compre uma, use-a essa noite para decoração e, no dia seguinte, corte-a para uma sopa.
  5. Recicle os materiais. Se fizer uma festa em casa, assegure-se de que tem o ecoponto caseiro bem assinalado para que os convidados saibam exatamente onde deitar os resíduos. Idealmente, e se tiver condições para isso, faça compostagem dos resíduos orgânicos. Mesmo que não tenha compostos em casa, em Lisboa, por exemplo, já existem vários pontos nos quais os lisboetas podem fazer um depósito conjunto.